Toni Bou, líder do Mundial depois do GP da França

O piloto da Repsol Honda Team, Toni Bou, deixa a França como líder do Campeonato do Mundo após a vitória de ontem e um terceiro lugar no domingo. O companheiro de equipe Takahisa Fujinami replicou a posição de ontem para terminar em sexto.

Depois de uma abertura bastante direta para o Campeonato Mundial ontem, a segunda tentativa de hoje, com algumas seções modificadas, viu Toni Bou sofrer durante todo o evento. O atual campeão mundial sentiu dores nas costas que causaram cãibras no braço direito do piloto.

O piloto da Repsol Honda Team lutou muito no percurso da Isola 2000 de três voltas na França, que trouxe o melhor do campeão, que no final conseguiu resgatar o resultado de um dia difícil para terminar na terceira etapa do o pódio. Os resultados do fim de semana significam que Toni é o líder do Campeonato Mundial TrialGP.

O irmão de armas da Repsol Honda Team, Takahisa Fujinami, não arrancou da melhor forma e, da mesma forma, passou por maus bocados na primeira volta. Na segunda volta o piloto conseguiu recuar consideravelmente, mas acabou pagando pesadamente pelos erros na terceira e última volta com vários fiascos sucessivos que levaram a um eventual sexto lugar final, a mesma posição que agora detém na classificação geral .

A próxima parada para o Campeonato Mundial TrialGP será em Pobladura de las Regueras, na Espanha, nos dias 12 e 13 de setembro, com mais dois dias de teste.

Toni Bou ENSAIO: 3ª GERAL: 1ª
“Foi um dia muito difícil, continuando com o desconforto físico de ontem e as dores nas costas que causaram cãibras no braço direito. Não fiquei feliz durante a maior parte do dia e foi muito difícil. Acho que o balanço do fim de semana é positivo considerando a condição em que me encontrei. Vai ser um campeonato muito difícil para nós porque as provas são muito próximas. Mesmo assim, vamos lutar para dar o nosso melhor para o próximo.”

Takahisa Fujinami – ENSAIO: 6º GERAL: 6º
“Hoje não comecei muito bem a primeira volta, mas na segunda já me sentia mais confortável com a moto e consegui recuperar pontos suficientes para lutar perto do topo. Na terceira e última volta comecei bem, mas cometi muitos erros e não consegui recuar. No final, terminei em sexto, mas sei que não é aqui que deveria estar. Durante o bloqueio, trabalhamos muito, mas não é o mesmo que passar seis horas por dia andando de bicicleta. Tenho certeza que tudo ficará melhor da próxima vez. Vamos lutar para estar entre os três primeiros.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.