Pecco retoma a liderança!

Hoje eu preparei melhor as coisas para não perder a corrida. A muié autoexilou-se no quarto ao lado, coloquei o despertador em cima da hora e programei tudo para não ter erro. Deu certo!!! Fiquei até o final da Moto3, dormi apenas durante a Moto2 e na MotoGP eu estava de boas.

Primeiro, e antes de tudo, venho destacar o profissionalismo do Fausto Macieira. Fausto perdeu sua mãe no sábado, ela iria completar 90 anos agora em dezembro. Passou o sábado inteiro com estas providências finais, passei por isso não tem muito tempo também com minha querida mãe e sei como é duro e desgastante. Mas a meia noite ele estava lá pronto e trabalhou bem como sempre, não deve ter sido mole. Meus pêsames meu amigo Macieira, é assim a vida. Buda nos ensinou que não devemos desejar contra a morte, é inútil. Vamos todos desejar que sua mãe fique bem, que você, suas irmãs e todos em sua família e amigos, fiquem bem. Deus há de prover o consolo. Amém.

Na largada Martinator deve ter dado um super peido junto com a sua aceleração, porque o que ele fez não é normal não… Sem queimar a largada ele projetou-se como um míssil da terceira fila para a ponta, impressionante. Que largada espetacular, tirou um fino do Luca Marini, mas não colocou ninguém nem nada em risco. Foi.

E lá na ponta continuou sentando a bota, fez melhor volta da prova até então, abriu do Maverick Vinales e estava folgado na frente quando BAM!!! Levou um estabaco. Eu não consigo entender estas caídas, porque as motos não balançam, eles não parecem estar errando nada e as motos saem de baixo de uma vez só… é difícil de ver o que erraram. Mas eles erram, porque na maioria das vezes quando acontece isso os pilotos depois dão declarações pedindo desculpas pelo erro a equipe. Não dá prá ver, só sentindo ali em cima da moto. Só sei que a moto saiu de uma vez e Martinator foi para ZERO pontos.

Pecco Bagnaia também largou super bem, lá de décimo terceiro e passou a primeira volta já em sexto, uma super progressão. Não estava andando para o Martin, que fazendo melhor volta estava se afastando cada vez mais dele, mas estava andando o suficiente para passar todos os que estavam entre ele e o líder. A prova estava caminhando para Pecco em segundo, limitando a perda de pontos em apenas mais 5, o que dentro das circunstâncias do dia, era o melhor que ele podia fazer. Mas… corridas são corridas e estas coisas acontecem. Martin, que caiu pouco este ano, hoje caiu, e Pecco alegremente recuperou a ponta da classificação e muito de sua moral, que estava ficando bem por baixo. Com o que andou hoje, mereceu muito a vitória, uma corrida de campeão.

Maverick Viñales andou bem todo o fim de semana. A Aprilia quando acerta-se na pista, anda muito bem. Aleix viria bem também, mas sabe-se ele porque escolheu pneus macios para as duas rodas e logo logo perdeu competitividade. Viñales, que ontem reclamou dos pneus, foi passado pelo Pecco, deixou abrir um pouco, talvez para tentar salvar pneus e no final, apertado pelo El Diablo, colou no Pecco novamente e quase venceu a prova. Excelente prova do Maverick, que por pouco não ganhou a sua primeira na Aprilia.

Fabio Quartararo fez também uma ótima corrida, aproveitando as circunstâncias que teve, que foi a de largar bem e andar praticamente sozinho a prova toda. Desde muito, a Yamaha precisa andar sozinha e sem ninguém para estragar a sua linha de curva. Nestas condições, cada vez mais raras nas corridas, a M1 anda para o cronômetro. Mas, ela não tem condição de disputa, de ultrapassagem. Se ao chegar na curva alguém atrapalha sua linha, ele não tem outra opção que não seja diminuir a velocidade e na reaceleração a sua M1 não consegue ser páreo para as outras. Largando mal posicionado como ele tem largado, ele seria obrigado a fazer muitas ultrapassagens para chegar melhor classificado, e não consegue, a M1 não morde. Aí, fica encaixotado atrás do piloto na frente mais lento e vem o de trás e blau!, passa ele na reaceleração. Largando bem e andando livre, a Yamaha vai, mas vejam que mesmo mais rápido do que o Viñales no final, não conseguiu passar. Corridasso do Fabio Quartararo.

A Yamaha sente muita falta de mais motos na pista para acertar melhor as motos durante os treinos e depois da Sprint Race. Ao contrário da Ducati, que sempre acerta muito melhor suas motos oficiais após a Sprint. Vejam a diferença entre a moto que Pecco teve ontem e a de hoje. Pecco é um piloto de GP, um piloto de fábrica, ele é treinado e acostumado a ter uma moto sempre perto da perfeição para poder correr. Ao contrário de pilotos de equipes satélites e oriundi de WSBK, onde as motos são acertadas até certo ponto e ali, tem que entrar com o talento puro e a marra. Barros, quando correu de Pramac Ducati, por exemplo, só tinha uma suspensão dianteira boa, a sua moto reserva tinha uma suspensão dianteira pior e diferente, não dava para ficar trocando de motos para acertar suspensões, por exemplo. A Ducati não, pega todos os dados, a galera passa a noite em claro e no dia seguinte as suspas do Pecco estão quase perfeitas. Ele foi o único que correu com pneus duros na frente e atrás, certamente tinha settings diferentes.

Martinator sentiu o peso da liderança? Certamente. Pecco sentiu o peso de ser ultrapassado mesmo que por apenas um dia? Certamente. O bagulho está tenso. Martin é mais veloz, rei de voltas rápidas, mas Pecco é mais cerebral e pode contar com uma equipe melhor. Vai ser emoção até o fim.

Na Moto3, que não acompanho de perto, tive a felicidade de ver o Diogo finalmente vencer uma prova. E que prova! Largou da pole position muito bem, perdeu posições, foi tocado, desceu até a oitava posição e recuperou-se até vencer. Que corrida. Eu queimei minha língua, porque no meio da corrida, trocando mensagens com amigos, disse que Diogo não tem dentes, não morde ali no meio daquele bando de cachorros raivosos e mordedores. Ele anda limpo, bonzinho, e leva fechadas de todo mundo, toques, e talvez isso o estivesse impedindo de ter ganho provas antes. Hoje a mesma coisa… andando limpo, foi sacaneado 2 vezes e quase se danou. Mas… hoje era o seu dia, ele recuperou-se lindamente, enquadrou o Holgado fdp e chegou na frente, por milésimos, estilo Moto3. Agora sim, sobe para a Moto2 medalhado, eu acho que deviam existir regras para estas subidas de pilotos… Tipo mínimo de 1 vitória ou mais de 100 pontos, senão fica um certo cheiro de injustiça no ar. Diogo poderia ter ganho mais provas, mas estou feliz com esta uma de hoje. Bandeira do Brasil e hino no pódium. Diogo chorando, emocionante.

Semana que vem teremos Phillip Island, minha pista favorita. Certamente veremos Casey Stoner nos boxes, espero que Wayne Gardner também. A pista é linda, é para corajosos, eu adoraria ver Alex Rins em forma voando por lá. Lembro de Bautista voando por lá, lembro de Ianonne voando por lá, lembro de Marc Marquez voando por lá, de Rossi, de Stoner, o Rei de Phillip Island.

 

Publicitário, Designer, Historiador, Jornalista e Pioneiro na Computação Gráfica. Começou em publicidade na Artplan Publicidade, no estúdio, com apenas 15 anos. Aos 18 foi para a Propeg, já como Chefe de Estúdio e depois, ainda no estúdio, para a Agência da Casa, atual CGCOM, House da TV Globo. Aos 20 anos passou a Direção de Arte do Merchandising da TV Globo onde ficou por 3 anos. Mudando de atuação mais uma vez, do Merchandising passou a Computação Gráfica, como Animador da Globo Computação Gráfica, depois Globograph. Fundou então a Intervalo Produções, que cresceu até tornar-se uma das maiores produtoras de Computação Gráfica do país. Foi criador, sócio e Diretor de Tecnologia da D+,depois D+W, agência de publicidade que marcou uma época no mercado carioca e também sócio de um dos primeiros provedores de internet da cidade, a Easynet. Durante sua carreira recebeu vários prêmios nacionais, regionais e também foi finalista no prestigiado London Festival. Todos com filmes de animação e efeitos especiais. Como convidado, proferiu palestas em diversas universidades cariocas e também no 21º Festival da ABP, em 1999. Em 2000 fundou a Imagina Produções (www.imagina.com.br), onde é Diretor de Animações, Filmes e Efeitos até hoje. Foi Campeão Carioca de Judô aos 15 anos, Piloto de Motocross e Superbike, mantém até hoje a paixão pelo motociclismo, seja ele off-road, motovelocidade e "até" Harley-Davidson, onde é membro fundador do Museu HD em Milwaukee. É Presidente do ForzaRio Desmo Owners Club (www.forzario.com.br) e criou o site Motozoo®, www.motozoo.com.br, onde escreve sobre motociclismo. Como historiador, escreve em https://olhandoacidade.imagina.com.br. Maiores informações em: https://bio.site/mariobarreto

Deixe seu comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.