Imprevisível

Não, a vitória do Aleix não foi surpresa, pois ela já podia ter acontecido até de Forward Yamaha em Aragón e Assen, em 2014, ou na Catalunha em 2015, já de Suzuki. A vitória da Aprilia também era previsível desde o começo dos treinos de pré-temporada, quando ficou claro que a RS-GP 2022 nasceu bem: ágil e potente.

Impossível é prever o resultado das corridas antes da classificação. Três GPs, nove pilotos diferentes no pódio e todas as marcas já receberam algum troféu. O campeonato está muito competitivo, com o líder somando um quarto, um nono e um primeiro lugares. Cinco pilotos estão em uma janela de 10 pontos, e 10 pilotos estão em uma janela de 25 pontos, com supostos favoritos na briga pelo título, como Miller, Bagnaia e MM fora dos Top 10.

Agora teremos Austin e Marc Márquez de volta. Será ainda o favorito? Teremos as Ducatis oficiais na frente, beneficiadas pela longa reta oposta, ou a agilidade de Suzukis e Aprilias vai predominar?

É isso que faz do MotoGP a melhor atração esportiva de velocidade. Qualquer coisa pode acontecer, inclusive o Marini largar na primeira fila. Falando de VR46, pra mim, o piloto do dia foi o Bezzecchi. Foi empurrado pra fora da pista na primeira curva depois da largada, caiu para antepenúltimo e chegou em nono, duas posições à frente do colega de equipe.

Bastianini decepcionou em 10º porque tinha potencial de chegar entre 5º e 7º. Por duas vezes ele perdeu a freada da curva 5 e caiu pra 15º. Se recuperou bem, mas acabou em 2º no pelotão liderado pelo Bezzecchi quando poderia ter acabado no pelotão Bagnaia/Binder/Viñales. Seu companheiro, Di Giannantonio, caiu.

A WithU Yamaha não marcou pontos, com Darryn Binder chegando à frente do Stefan Bradl e Dovi, com problemas mecânicos, em último. Muito ruim a corrida do Bradl: mais de 30 segundos atras do líder com uma Repsol Honda… Pol vinha até bem: se classificou em 4º, mas caiu, segundo ele mesmo, porque não soube se conformar com as limitações da moto.

Outro que caiu foi o Zarco. A menos que ele comece a ter bons resultados consistentemente temo que será o último ano dele na categoria. Já tem 30 anos e está andando atrás do Jorge Martin, que fez tudo certo na corrida. Só não conseguiu segurar a Aprilia.

Aliás, eu acho que a Aprilia está com um acerto básico muito bom, e a falta de ação na sexta-feira, devido a um atraso logístico no transporte dos equipamentos para o circuito argentino, acabou beneficiando a marca de Noale, pois as outras marcas ainda estão procurando seu melhor set up e não tiveram muito tempo de pista para isso. No mais, tiveram um resultado excepcional, que vai lhes dar um impulso gigante: a primeira vitória é sempre a mais difícil. Viñales, por enquanto, está bem cordato e disse que ficou feliz com a vitória do companheiro de equipe. Acredito, pero no mucho.

Suzuki lidera o campeonato de equipes e teve um bom resultado: 3º e 4º, com Rins no pódio e muito motivado para a corrida no Texas, que já ganhou. Largaram embolados no grupo que ia do 3º ao 10º, mas se beneficiaram das quedas de Zarco e Pol. A moto é boa e está andando bem na reta, o que deixa a Yamaha muito mal na fita: é a mais lenta das 4 em linha!

Quartararo voltou a ficar desanimado, porque nenhum campeão corre pra somar pontos. E, como ele disse, não se ganha campeonatos com P8s. Ainda mais beneficiado pelas mesmas duas quedas. Morbidelli teve um furo no pneu traseiro e espero que ele tenha dado uma parada no Brasil, entre Argentina e EUA, pra tomar um banho de arruda e sal grosso: que urucubaca!

Nakagami e Alex Marquéz continuam com suas batatas assando. O japa ainda teve um brilhareco nos treinos, mas 12º e 15º são posições medíocres para quem tem uma Honda mais administrável que a de 2021. Tem muita gente boa na Moto2 de olho nessas motos para o ano que vem.

As KTM ficaram ali na meiúca. Faltou tempo de pista para um melhor acerto, aí Miguel passou de bestial a besta, amargando um triste 13º. Volto na imprevisibilidade: talento ele tem, potencial a moto também tem. Vencedor na prova anterior, figurante nesta. Vai explicar… Binder fez seu be-a-bá e conseguiu um razoável Top6, mas, ainda assim, tem um P2, um P8 e um P6. Como todos: muita inconsistência.

Por fim as Ducatis oficiais, que saíram de Termas de Rio Hondo com sentimentos conflitantes. Por um lado, Bagnaia fez uma ótima corrida de recuperação para chegar em 5º. Pelo outro, um Miller que não conseguiu ultrapassar ninguém e andou sempre ali na rabeira dos pontos. Levou 2 pra casa, o que é risível para a marra da equipe de Borgo Panigale.

Muita gente diz que o campeonato só vai começar pra valer quando chegar à Europa no dia 24 de abril no Algarve. Serão duas semanas seguidas em Portimão e Jerez que, em tese, deverão apontar se há alguma equipe sensivelmente melhor do que as outras. Enquanto isso conto as horas para o GP de Austin, para termos uma ideia se o Hexacampeão de MotoGP ainda pode almejar o 7º título.

Até lá!

Gostou? Então gaste alguns segundos para ajudar o Andre Bertrand no Patreon!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

vinte + 6 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.