As palavras de Max Biaggi

Um site que eu nunca tinha visto, ignorância minha, chamado Ruetir – www.ruetir.com – publicou uma matéria muito interessante. Assinado pelo repórter Lance Vaughn, publicou uma resposta do 6 vezes campeão do mundo Max Biaggi ao Marco Borciani, seu chefe de equipe em 2008 quando Biaggi, após sair do MotoGP e engajar-se no mundial do WSBK, onde foi campeão 2 vezes, fez críticas severas sobre ele.

Esta resposta foi postada no Facebook do Max Biaggi.

Eu ainda não li estas críticas, mas pelo texto, Borciani acusou Max Biaggi de ser uma “prima donna”, ou seja, estrela demais.

Biaggi, do alto de seus incríveis 6 títulos mundiais, 3 de Aprilia 250, 1 de Honda 250 e mais dois de Aprilia RSV4, deu uma resposta elegante e revelou uma treta incrível na Ducati durante o campeonato.

Basicamente Biaggi afirma que a Ducati só botava uma moto capaz na pista, para não ser acusada de uma vantagem que Biaggi julga ser abusiva. Muito interessante o texto, leiam abaixo a minha tradução:

Max Biaggi desabafou em um longo post no Facebook, depois que Marco Borciani, seu gerente de equipe na época da Ducati em Superbike, o atacou severamente.

“É um verão muito quente e esta manhã a temperatura ficou muito crítica, quando li sobre um ataque gratuito de um ex-personagem do SBK, para cuja equipe pilotei em 2008. Há pouco a usar implícito, todos sabem que naquele ano eu corri com uma Ducati da equipe gerida por Borciani. Eu sei que o Borciani estava muito doente e lamento muito a dificuldade ele teve que enfrentar! Também estou super feliz que ele agora está curado e que ele está em excelente saúde. Feita essa premissa necessária, voltemos ao cerne da questão”.

“Escolher a equipe para 2008 foi muito difícil para mim. Assinei um contrato diretamente com a Ducati, um contrato que incluía uma passagem para a equipe de fábrica para o ano seguinte. Vocês todos sabem como foi e graças a Deus que foi daquele jeito, porque assim voltei para Aprilia, para escrever outras páginas maravilhosas da minha vida esportiva e não esportiva.”

“Continuo a dizer que os não vencedores no esporte têm dificuldade em compreender a mentalidade que anima um campeão mundial múltiplo! Não é apenas inveja, mas apenas uma incapacidade de ver além, de entender quem foi mais longe. Um campeão quer vencer a qualquer custo e, portanto, sacrifica sua vida, em todos os seus aspectos, para atingir esse objetivo, quem diz o contrário? Um campeão deve respeitar a todos, mas na pista ele deve ser implacável! Assim como na pista é difícil criar amizades, principalmente quando se luta pelo mesmo objetivo, da mesma forma um campeão deve esperar o máximo de todos ao seu redor. Todos. Não é sobre ser a “prima donna”. Uma prima donna não arriscaria morrer em Doohan Corner (Phillip Island Circuit) para ganhar! Não pretendo e não quero ser querido por todos, mas não é correto omitir o que aconteceu naquele ano, transformando a verdade em supostos caprichos de um piloto”.

Malu querida e Biaggi. Este capacete que a Malu ganhou, agora é meu!!!

“Foi isso que aconteceu, é isso que coloca os acontecimentos de 2008 de forma correta. 14 anos se passaram, então chegou a hora de esclarecer algumas coisas:

A moto que testei pela primeira vez em 2008, foi uma moto absolutamente vencedora. Em comparação com o ano anterior a moto ganhou 200 cc em cilindrada, enquanto alguns dos seus componentes passaram a ser produzidos em série. Nós, com a equipe Borciani, testamos essa moto pela primeira vez na Austrália. Durante a ocasião fizemos uma simulação de corrida, que concluímos com um tempo menor que 4 segundos, comparado ao obtido na corrida vencida no ano anterior por Bayliss, com a velha moto de fábrica e com os mesmos pneus. Na melhor volta fui mais rápido que a pole position de Bayliss em 2007, exatamente quatro décimos de segundo. A moto naquela época tinha a rotação máxima em 11500 rpm.

Depois de alguns dias nos mudamos para o Qatar, para um novo teste e nessa ocasião da moto foram retiradas 500 rpm, devido a um suposto problema estrutural nas árvores de cames. Não podíamos fazer nada além de nos adaptar.

Lembre-se desses dados, pois serão úteis no restante do discurso”.

“Na primeira corrida consegui um segundo e um terceiro lugar, enquanto na Austrália, na volta de lançamento da superpole, a alavanca de câmbio quebrou. Não podendo participar da superpole, parti da décima sexta posição, na quarta fila. Na corrida 1 levei nove voltas para chegar à segunda posição e nas sete voltas seguintes reduzi a diferença de Bayliss, que estava em primeiro, para 1,6 segundos. Infelizmente, porém, a seis voltas do final, escorreguei sem consequências, no hairpin downhill. Na corrida 2 tentei me recuperar e depois de seis voltas já estava em terceiro, mas um grave acidente na curva 1 me tirou do jogo. O acidente, de vê-lo novamente, é assustador até hoje. Quebrei o rádio do braço esquerdo!

Regressei a Valência, depois de 21 dias de gesso e nos primeiros treinos livres percebi que havia algo de errado com a moto. Parei nos boxes e conversei com meu técnico-chefe. Eu viro com muitas dúvidas. No início da segunda sessão de treinos livres, notei exatamente o mesmo problema e imediatamente voltei aos boxes. Eu disse ao meu chefe de equipe que terminaria meus testes lá! Na verdade, eu estava voltando de uma lesão na mão e para correr tive que me infiltrar no pulso com analgésicos, então não fazia sentido continuar com uma moto que teve uma queda evidente no desempenho. Eu estava sendo ultrapassado por pilotos que nunca tinha visto antes! Absurdo. Meu técnico-chefe, depois de várias idas e vindas, finalmente admitiu que o então gerente geral da Ducati Corse Filippo Preziosi havia ordenado que ele inserisse um mapa específico, que removeu entre 15 e 18 HP durante todo o período de uso. Isso porque era necessário que apenas um piloto vencesse, caso contrário o regulamento penalizaria os 2 cilindros. Na verdade, se apenas um piloto tivesse vencido, a vitória teria sido atribuída à sua habilidade e não a uma vantagem técnica do 2 cilindros sobre o 4 cilindros. Minha moto de repente se tornou lenta.

Na época, o principal regulamento promovia um nivelamento de desempenho entre 4 e 2 cilindros, seguindo uma vantagem de deslocamento em favor dos 2 cilindros de 200 cc, ocorresse graças a um peso mínimo diferente e com o uso de uma restrição de ar, com o qual o ar que entrava no filtro de ar era limitado. As penalidades eram facilmente acionadas se um número maior de pilotos estivesse presente nos primeiros lugares, equipados com um dos dois motores.

A moto que testei na Austrália foi absolutamente vencedora, pois honestamente tinha uma vantagem de deslocamento excessiva. Por esta razão, para ganhar o campeonato mundial era necessário penalizar as motos dos clientes. Se o pódio tivesse sido monopolizado pelos 2 cilindros, a aplicação do regulamento teria reduzido a vantagem de desempenho da Ducati 1098”.

“Em tudo isso, meu chefe de equipe, que deveria ter defendido os interesses de sua equipe, seus patrocinadores e impedido que uma das motos de seu piloto se transformasse em um fogão, não disse uma única palavra! Na verdade, ele ainda finge não saber a verdade, mas ele também estava presente em todas as nossas reuniões. Como prova do que foi dito, algumas corridas depois, quando a vantagem de Bayliss na classificação geral se consolidou e quando já tinha certeza de que eu iria na Ducati oficial, na minha moto o limitador foi movido para 12250 rpm. Tudo sem qualquer modificação estrutural! Esse mesmo motor agora poderia lidar com mais 1250 rpm.

Eu ducatista confraternizando com o também grande campeão Troy Bayliss. Só de encostar a mão fiquei mais rápido 5 segundos.

Em suma, as rotações do motor foram aumentadas e diminuídas de acordo com a classificação geral. Aqui está a verdade que eu nunca disse. Engoli uma mordida muito amarga, mas me ajudou, me ajudou a ganhar mais dois campeonatos mundiais na minha Aprilia RSV4. Mais que o dobro da alegria.

Pessoal eu queria compartilhar tudo isso com vocês, à luz dessas declarações lidas e saber o que vocês acham do que foi dito. Sempre leio e comento você com muito prazer”.

Max Biaggi

Max Biaggi é Legend of MotoGP. 4 vezes campeão do mundo na 250cc. 42 vitórias em GPs, 13 no MotoGP. Bi-campeão de WSBK

Treta treta treta. Max Biaggi simplesmente diz que a Ducati restringiu o desempenho de todas as motos, menos da de Bayliss, de modo a não ser acusada de vantagem mecânica e assim não ter que ser restringida e vencer o campeonato. É o que sempre disse o meu leitor e amigo Victor Braga, a Ducati teve vantagens ilegais e roubava no mundial de WSBK. Uma acusação grave né?

Gostou? Então gaste alguns segundos para ajudar o Mário Barreto no Patreon!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

um × 2 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.