Dovi fora da Ducati

É sempre muito difícil saber o que acontece nas negociações entre os pilotos e as equipes em qualquer esporte. É informação secreta, com certeza. Ainda mais aqui do Brasil, onde as fofocas chegam fraquinhas e traduzidas. Talvez sendo italiano, tendo um amigo que conhece a irmã da namorada do mecânico que ouviu uma parada no motorhome, fica mais rico de infos para escrever. Daqui contamos apenas com a nossa simpatia, a história passada e a nossa perspicácia. Kkkkk, que perspicácia?

Bem, Andrea Dovizioso, através de seu empresário, diz que não fica mais na Ducati, depois de 8 anos. Tá de bom tamanho, aguentou até demais. Fez muito pela Ducati, recebeu muito também, mas todas as relações chegam ao fim. Segundo Simone Battistella, “não existem mais condições”. Deve faltar um muito de dinheiro, e um outro tanto de vontade.

Para Dovi pode ser problemático, pois ele terá que procurar emprego se quiser continuar pilotando no MotoGP, onde as vagas são contadinhas. 

Mas ele um currículo de 14 vitórias de MotoGP debaixo do cinturão, um campeonato do mundo na antiga 125, 2 vice-campeonatos na 250 e 3 vice campeonatos no MotoGP. 

É tão difícil ganhar na categoria Top que ele com isso aí é um dos melhores pilotos dos tempos modernos, com o dobro dos resultados do Alex Barros, dobro de vitórias e dobro de pódiums. Piloto “Honda”, por falta de espaço foi para a Ducati e com muito trabalho e finalmente resultados, firmou-se como o melhor e mais consistente em cima dela. André Bertrand reclama que ele não deu moleza para Lorenzo, mas quem quer ser campeão não pode dar moleza para ninguém, ainda mais para Lorenzo. Todo campeão é meio fdp. 

Eu conheci-o aqui no Rio, ainda garoto, mas já líder na 125. Um amigo, o saudoso Marcos Calvi, precisava de um cilindro para a sua Cagiva SuperCity e eu pedi ao Sr. Polini para mandar nas caixas do MotoGP. Ele foi muito gentil e incumbiu Dovizioso em pessoa de me entregar a peça. Deve ter falado para ele, “receba antes de entregar”, kkkk, pois ele estava super preocupado em ver o dinheiro primeiro e depois foi buscar a peça. Conversamos muito pouco, um garoto, gente boa, sério, concentrado, focado.

Era esperado este desfecho, pois algo não cheirava bem entre ele e Gigi Dal’Igna. Vai ser bom para ele, com um pouco de sorte ele pula para a Aprilia, onde fará muito mais diferença do que Iannone, pois é muito mais trabalhador e capaz de dar informações muito mais precisas. Iannone dizem que passa muito tempo cuidando do cabelo e das tatuagens. Torço muito para isso.

Dovi pode dizer que a maioria de suas vitórias ele conquistou na pressão, com Marc Marquez com saúde em cima de sua moto, fazendo de tudo para impedir e sem conseguir. Dovi é um dos poucos que pode dizer isso, venceu MM no dogfight. Me desculpem os que dizem que vitória é vitória, mas eu acho muito diferente do que vencer com Marc sentado em casa olhando. Cai pouco, quebra poucas motos, anda rápido quase sempre. 

Se Dovi ano que vem pega um moto boa, bem que poderia fazer que nem Stoner, ganhar logo de cara. Seria lindo.

E a Ducati, em um ano em que deu a sorte de não ter Marc Marquez atrapalhando, vai disputar o campeonato com dois ex-pilotos desmotivados, e ano que vem parece poder contar com Jack Miller e agora Zarco, pois Bagnaia quebrou-se e certamente vai perder espaço. 

Mesmo quando tinha a melhor moto na pista, sem Dovi beliscando o vice-campeonato, as outras ficavam entre sexto e nono. Chegar junto de Honda, Yamaha, Suzuki e agora KTM deste jeito que parece se arrumar, vai ficar difícil.

Torço para Dovi, este ano e ano que vem. Torço para a Ducati, este ano e ano que vem. Tomara que todos fiquem bem. Eu estou aliviado, ficava tenso com o clima, agora é partir para resolver. Estou na campanha Dovi de Aprilia!!!

Abraços
Mário Barreto

2 comentários em “Dovi fora da Ducati”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.