TEST-RIDE APRILIA RS660

Exatamente com 16 anos, pilotei uma motocicleta pela primeira vez. Acredito que desde o dia do meu nascimento até aquele momento, não havia nada que eu mais quisesse no mundo e a moto continuou sendo o objeto do meu desejo por muito tempo.

A primeira moto que rodei também foi a mesma com que sempre sonhei.

Era a Aprilia RS 125 Replica.

Aprilia RS 125 Replica 1999

Era o verão de 1999 e naquele momento, a primeira vez que abri o acelerador e vi o conta-giros da minha moto dos sonhos respingar … o cheiro da mistura gasolina-Castrol TTX … o grito ensurdecedor do motor Rotax dois tempos … Eu nunca vou esquecer isso.

Agora, com essas premissas, você pode imaginar minha emoção quando finalmente a concessionária Aprilia CheMoto! de Roma, a quem muito agradeço pela oportunidade, me diz que a primeira RS660 foi finalmente emplacada e pode ser testada.

Obviamente, a RS660 não pode ser comparada a antiga RS 125 ou 250 2 tempos, mas é a única coisa que hoje, em 2020, na época do Euro 5 (aqui na Europa) e do elétrico, mais se aproximama.

A RS660 é uma moto muito aguardada, não só por mim, pois cria um novo segmento de mercado.

Esportiva sim, mas sem aqueles 200cv que agora parecem ser o padrão das motos esportivas dos últimos anos e que a maioria de nós consegue dirigir sem se matar apenas graças à eletrônica. Ter essa alta potência disponível e ter que usar muita eletrônica para evitar bater em cada esquina parece um pouco idiota na minha opinião.

O que achas em vez de ter uma moto esportiva, agradável de dirigir, com um chassis excelente, a potência certa, com electrónica suficiente para ter mais segurança sem cortes excessivos de potência e diversão? E se, além de tudo isso, também fosse confortável?

A RS660 parecia ser tudo isso e, por esse motivo, eu estava realmente ansioso para testar-la.

Portanto, não tinha dúvidas sobre a bondade do projeto. Havia apenas uma dúvida.

Um motociclista acostumado a motocicletas com mais de 150cv e 125Nm de torque (como eu), vai considerar ela lenta?

Estamos falando de uma moto com 100cv, 67 Nm de torque e 169kg a seco. Potência média-baixa (pelos padrões atuais), mas muito leve.

Fiz o teste por apenas meia hora e quase inteiramente no trânsito da cidade, mas também consegui fazer algumas curvas.

Assim que me sentei, as primeiras boas notícias. Uma moto surpreendentemente confortável. Selim largo e bem acolchoado, apoios para os pés na altura certa e semi-guiador levantado não sacrificados de forma alguma. Para citar os técnicos da Aprilia, procurou-se o meio termo perfeito entre a posição de condução de uma moto superesportiva (por exemplo, R6 ou Ninja 636) e a de uma tourer esportivo (tipo CBR 650 R). E eles conseguiram, a posição se encaixa perfeitamente, por nada cansativa.

A embreagem de cabo macio, a caixa de câmbio excelente e precisa, tanto em up como em down e um shiter rápido que apenas algumas vezes ficava preso no down, mas eu andava com uma moto recém desempacotada, tinha apenas 5km no velocímetro!

Como eu disse, a dúvida era uma só. Esse motor vai me dar alguma emoção?

Resposta curta: definitivamente sim! O motor foi uma verdadeira revelação, eu tinha poucas expectativas de um Twin paralelo 660 e ao invés este motor é legal, agressivo como eu nunca teria pensado além de ter um som lindo. Parece um V2!

A moto acelera bem e é divertida em cada saída de curva. É claro que ele não pode ser comparada com um 1200cc bicilindrico ou um 1000cc 4 em linha, mas a beleza é que esses 100cv podem ser espremidos todos, sem medo de reações perigosas. Espetacular.

Quanto ao chassi, bem, o quadro é exatamente o de uma Aprilia de verdade, não será polido como na irmã mais velha V4, mas tem um bom desempenho. Quanto às suspensões, porém, a frente fica bem plantada no chão, mas na frenagem afunda um pouco demais. São suspensões ajustáveis ​​e certamente podem ser melhoradas. No geral, o garfo não é ruim considerando o preço da moto, mas o desempenho esta londe de um Showa Big Piston. Mono traseiro, rejeitado. É muito barato, muito mole. Concordo que a moto foi desenhada para a estrada e na verdade o conforto na cidade é excelente, mas na minha opinião (e de quase todos os que a experimentaram) não é adequada para o resto do veículo. Felizmente, é a coisa mais barata e mais rápida de substituir.

Quanto à frenagem, nada de fogos de artifício ou “stoppies” com um dedo, mas a pinça (M4.32) e a bomba (semirradial) são Brembo e a moto freia bem. Eu gostaria de um pouco mais de agressão, mas é mais da minha obsessão com os freios.

O teste dura pouco tempo, mas o suficiente para responder à minha dúvida. Uma moto como essa pode divertir qualquer pessoa, até mesmo o motociclista experto acostumado a andar com motos mais potentes.

A moto é confortável e utilizável todos os dias, mas fazendo uma pequena atualização na suspensão pode virar um fantástico veículo de corrida.

Absolutamente para testar.

É a hora normal dos boletins!

Não gostei:

  • O amortecedor traseiro. Melhor trocar imediatamente…
  • Estilo e Design: 9 A Aprilia deu um grande passo em frente no design. A linha é decididamente precisa, moderna e agressiva, embora a beleza e elegância do RS 250 Chesterfield permaneçam incomparáveis ​​… mas eu sou um romântico
  • Motor: 9,5 100cv que podem ser desfrutados e aquele som muito bom. Aprovado com nota máxima.
  • Caixa de câmbio: 8,5 funciona muito bem, preciso, suave, quase “japonês”. Quickshifter excelente pem UP, em DOWN às vezes dá birra, mas fiz o teste com a moto que tinha 5km no velocímetro … teste para ser refeito com uma moto mais rodada.
  • Chassis: 7 um verdadeiro quadro Aprilia. Garfo discreto. Mono para trocar.
  • Freios: 8 sistema totalmente Brembo. Adequado para o meio.
  • Conforto: 9,5 Uma verdadeira poltrona. Nunca experimentei uma motocicleta com a carenagem tão confortável. Selim bem acolchoado, semi-guiador levantado à direita, nunca cansativo.
  • Preço: 8. Por € 11050 (Preço na Itália), não há nada comparável. Dinheiro bem gasto. Se você começar com “eh, mas os equivalentes japonêses custam muito menos …” bem, você merece uma em japonês. Não há nada na lista que seja realmente comparável ao RS660. Talvez o mais próximo seja o Ducati Supersport950, recentemente remodelado com um design semelhante ao de Panigale. Mas custa mais e gostei mais desta RS do que a antiga Supersport939.

Eu compraria?
Sim, sem duvida.
É uma moto perfeita para passeios de fim de semana e também pode ser usada todos os dias para viagens.

Bem-vinda de volta Aprilia!

Até a próxima avaliação.

Flavio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.