Pecco Bagnaia domina no Algarve!

Foi boa a corrida hoje em Portugal. Foram boas as corridas, porque hoje eu assisti as 3 categorias.

No MotoGP deu o resultado dos treinos, sem surpresas. Pecco disse na entrevista do parque fechado que foi um dos melhores fins de semana dele em toda a sua carreira, pois ele andou bem nos treinos, largou da pole e na corrida liderou de ponta a ponta. Largou bem, rodou incrivelmente preciso, em tempos baixos e constantes, variando (quando variava) nos milésimos. Joan Mir também treinou bem, largando de terceiro deu o bote no Miller e até tentou ir prá cima do italiano, que respondeu na hora, sem dar qualquer chance ao espanhol ex-campeão. Sua Ducati estava hoje muito bem acertada, todas estavam. Não é à toa que a Ducati hoje sagrou-se campeã de construtores, porque só a Yamaha do Quartararo anda, as outras se arrastam lá atrás, algo muito estranho não é? Sendo assim, não deu para a Yamaha bater o mundaréu de Ducatis andando bem na pista.

Pecco deu show. Joan Mir também botou prá quebrar. Jack Miller andou ali pelo quarto lugar quando foi ultrapassado por um surpreendente Alex Marquez, mas deu o bote nas voltas finais e pegou um pódium. Mas está a cada dia ficando mais claro que Pecco é mais constante e mais rápido do que ele. Conhecendo a Ducati, é bom que ele coloque as barbas de molho.

Alex Marquez fez um ótimo quarto lugar com Zarco chegando em quinto para ser o melhor piloto independente do ano. 5 Ducatis entre os 10 primeiros, nada mal, e por isso campeã dos construtores.

Quartararo não treinou muito bem, largou de sétimo, trocou os pneus para a corrida e até vinha andando decentemente, disputando o quinto lugar quando levou um estabaco e não completou a prova. O seu primeiro estabaco do ano em prova, primeira vez que ele não marca pontos em uma corrida em 2021. E foi aquele tombo que parece bobo, a moto saiu de baixo aparentemente sem nenhum motivo.

As Aprilias foram mal, com Viñales chegando lá atrás e Aleix caindo. Nakagami largou de último para chegar em décimo primeiro, uma excelente recuperação que mostra que as Hondas LCR estavam bem na prova de hoje.

E a prova acabou com bandeira vermelha no tombo “em casa” das KTMs do demitido Lekouna e do local Miguel Oliveira. Lekuona botou por dentro, não segurou e levou o Miguelzinho, que não pode fazer nada, ficou agarrado na moto no tombo e demorou um pouco para se levantar, o que impediu a retirada das motos do ponto perigoso e levou a bandeira vermelha. Felizmente ele levantou-se depois de um tempo e rolou no paddock o papo de que ele interessa a Ducati como piloto… fofocas.

Parabéns para a Ducati pelo título, parabéns ao Pecco pela vitória.

Na Moto3 Pedro Acosta precisava vencer para ser o campeão e estava na frente faltando 3 voltas, quando naquele bololô que é o Moto3 Foggia que vinha em segundo perdeu um tempinho abrindo em uma curva e botou prá dentro, encontrando Darryn Binder. Não ficaram mostrando várias vezes e de todos os angulos, coisa que os fiscais de pista certamente fizeram, MAS DO JEITO QUE EU VI ele não fez nada de muito errado não. Foggia estava aberto, ligou o foda-se estou disputando o título e fechou a porta na grossura, levou uma porrada e depois o seu box não quis aceitar as desculpas. Achei ridículo e a punição exagerada para o Binder. Até porque ele estava atrás do Acosta. Parabéns Acosta, campeão estreante, coisa inédita desde os tempos de Capirossi, mais de 30 anos atrás.

Na Moto2 eu torço muito pelo Gardner e ele hoje fez bonito, ultrapassando o Raul na pista, abrindo e vencendo. Tirou onda e agora tem 23 pontos de vantagem, para 25 que estão em jogo. Se tem mais uma única volta o Lowes passaria o Raul e seria campeão hoje. Pode chegar até em décimo segundo, se não me engano, para ser campeão. E cabeça ele tem. Legal demais ter pai e filho campeões do mundo, se bem que o filho do Roberts foi campeão de 500 2T igual ao pai. Mas tá valendo muito este título, tomara que ele o confirme semana que vem.

Semana que vem acaba!!!!!

Publicitário, Designer, Historiador, Jornalista e Pioneiro na Computação Gráfica. Começou em publicidade na Artplan Publicidade, no estúdio, com apenas 15 anos. Aos 18 foi para a Propeg, já como Chefe de Estúdio e depois, ainda no estúdio, para a Agência da Casa, atual CGCOM, House da TV Globo. Aos 20 anos passou a Direção de Arte do Merchandising da TV Globo onde ficou por 3 anos. Mudando de atuação mais uma vez, do Merchandising passou a Computação Gráfica, como Animador da Globo Computação Gráfica, depois Globograph. Fundou então a Intervalo Produções, que cresceu até tornar-se uma das maiores produtoras de Computação Gráfica do país. Foi criador, sócio e Diretor de Tecnologia da D+,depois D+W, agência de publicidade que marcou uma época no mercado carioca e também sócio de um dos primeiros provedores de internet da cidade, a Easynet. Durante sua carreira recebeu vários prêmios nacionais, regionais e também foi finalista no prestigiado London Festival. Todos com filmes de animação e efeitos especiais. Como convidado, proferiu palestas em diversas universidades cariocas e também no 21º Festival da ABP, em 1999. Em 2000 fundou a Imagina Produções (www.imagina.com.br), onde é Diretor de Animações, Filmes e Efeitos até hoje. Foi Campeão Carioca de Judô aos 15 anos, Piloto de Motocross e Superbike, mantém até hoje a paixão pelo motociclismo, seja ele off-road, motovelocidade e "até" Harley-Davidson, onde é membro fundador do Museu HD em Milwaukee. É Presidente do ForzaRio Desmo Owners Club (www.forzario.com.br) e criou o site Motozoo®, www.motozoo.com.br, onde escreve sobre motociclismo. Como historiador, escreve em https://olhandoacidade.imagina.com.br. Maiores informações em: https://bio.site/mariobarreto

Deixe seu comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.