Mugello 2021 – Passeio de Quartararo!

Bela corrida tivemos hoje no MotoGP em Mugello, que restabeleceu a ordem das forças para o momento do MotoGP.

O conjunto Yamaha+Quartararo é o mais forte longe na pista. A Ducati, bem ao seu estilo de divulgação, estava berrando que Miller ganhou duas seguidas, que Bagnaia estava a apenas 1 pontinho da liderança do campeonato e que tem todas as suas motos ali na ponta do campeonato. Tudo verdade, mas convenientemente esquece que Miller só ganhou a primeira prova porque o braço do Quartararo pifou quando liderava, que a segunda vitória foi na chuva quando no seco Quartararo tinha tudo para vencer. Foi a quarta pole-position seguida do francês, que é o mais rápido fácil na pista sem discussão.

Corridas são corridas, estas coisas acontecem, mas… se não tivessem acontecido, Quartararo e Yamaha teriam boa chance de ter ganho todas as provas até agora, simples assim. Menos a primeira, que a Yamaha venceu com Viñales.

Hoje em Mugello, pista italiana, com um retão enorme onde a Ducati pode impor seu motorzão e uns 10 km/h a mais na Yamaha, não fez nem pódium, um fracasso completo. Bagnaia caiu, Miller andou atrás e discreto, Zarco foi engolido pela Yamaha, KTM e também Suzuki.

Sempre dá pena das outras motos, menos a KTM, quando a Ducati pega a reta pertinho, é um esculacho, ela passa de passagem. Mas também dá pena da Ducati quando chegam as curvas, porque a Yamaha e Suzuki passam sem a menor consideração.

Então foi isso, Fabio Quartararo mostrou um ritmo muito bom nos treinos, fez a pole e na corrida não cometeu erros, rodou como um relógio e dominou a prova. Perdeu a ponta na largada como esperado, depois de novo enquanto Zarco estava podendo chegar junto na reta, mas logo depois isolou-se na ponta e controlou a prova. O estabaco do Bagnaia facilitou as coisas. A cabeça do Fabio parece estar bem melhor, é o que ele precisava para ser campeão, uma cabeça de Mir, por exemplo.

Mais atrás Zarco vinha fazendo uma boa prova mas não teve ritmo para segurar um excelente Miguel Oliveira e depois as Suzukis. A KTM, após um início de campeonato bem ruim, fez um chassi novo e todos melhoraram com ele. A moto tem um motorzão que empurra bem, não leva o pau que as outras levam do desmosedici e parece ser melhor de curva, porque Miguelito segurou bem Joan Mir nas curvas. Quase esquecemos que Miguel é agora piloto de fábrica! Muito bom. Brad Binder também andou bem, principalmente no final da prova.

As Suzukis vieram muito bem para a prova, principalmente depois da indicação “mapping 2”, kkkk, engoliram juntas a Jack Miller que não facilitou, e depois partiram prá cima da KTM. Infelizmente e mais uma vez Alex Rins estabacou-se no processo. Rins é rápido, mas cai muito. Ao contrário do campeão Mir que é tembém rápido e cerebral. É o “Dovi” do momento, não foi campeão à toa. Ele parece sempre extrair o máximo que dá para cada momento de sua moto na pista e no campeonato. Já Rins precisa de uma ajuda psicológica e parar de cair.

Zarco chegou em um ótimo quarto lugar que o coloca na vice-liderança do campeonato, um feito e tanto para ele, que quer ser piloto de fábrica novamente.

A Aprilia chegou em sétimo e não muito longe, com Espargaró com o braço ruim, pode ser considerado um bom resultado, a moto está a cada dia se mostrando mais confiável e capaz, o passo anterior ao de ir para a ponta. Ano que vem com Dovizioso ela vai dar mais trabalho.

Nem vi Marc Marquez na pista, ele caiu logo. Este fim de semana foi muito ruim para ele, que está com uma cara fechada, reclamando do ombro, andando contrariado ao ponto de falar até em parar de correr este ano para focar na recuperação total para 2022. Nos treinos teve que passar pelo Q1, onde precisou da “puxada” do Viñales para ir ao Q2. No Q2 andou o mínimo possível e está todo esquisito. As Hondas não estão bem. Nakagami vinha fazendo uma prova até razoável e caiu, e Pol Espargaró chegou lá atrás. Alex Marquez chegou atrás até do Valentino Rossi!! Kkkkkkkk.

O Doutor hoje chegou em décimo, mas 4 caíram na frente dele e Morbidelli teve que sair da pista no incidente da queda do MM. Rossi está rodando mais de 1 segundo por volta mais lento do que Fabio Quartararo, com a mesma moto. É para pensar… mas hoje ele até que deve ter se divertido com um pega com Lekuona até a última volta.

Claudio Domenicali estava na pista hoje, ele deu azar para as suas motos, melhor deixar de ir.

Até agora não vi o acidente da Moto3 onde morreu o jovem piloto Jason Dupasquier, um evento muito difícil de superar, mas fácil de acontecer a qualquer momento, porque todas as motos de GP são muito rápidas e qualquer acidente pode evoluir desta maneira. As vezes nos esquecemos do quão perigoso o esporte é, perdidos que ficamos no sorriso das vitórias, e na aparente facilidade com a qual os pilotos se apresentam nas pistas. Não é nada disso. É difícil, é perigoso, a qualquer momento qualquer um ali pode morrer, por mais cuidados e inovações que as pistas e os organizadores possam fazer. Muito triste a história toda, e espero que sua família encontre forças para superar este difícil momento.

Até semana que vem, já tem corrida no próximo domingo.

Gostou? Então gaste alguns segundos para ajudar o Mário Barreto no Patreon!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.