Dovizioso anuncia sua aposentadoria para San Marino

Pois é, era esperado e antes mesmo do break de verão (deles), Dovi já tinha dado dicas de que não estava disposto a ficar se arrastando lá atrás. Nem digo a troco de nada, porque mesmo não ganhando o que já ganhou no MotoGP, ele ainda tem um contrato e deve ganhar uma grana relevante. Só os prêmios de largada já são valiosos e ela era um piloto muito valioso para qualquer um.

Mas quem nunca viu um GP ao vivo, quem nunca sentiu a dificuldade e o perigo que estas motos de GP apresentam em sua pilotagem, quem só assistiu pela TV, não tem noção da encrenca que é. Não dá para fazer corpo mole, tem que ser no pau o tempo inteiro, arriscado a morrer ou a sofrer um acidente em cada saída da pista. Nesta idade, sem nenhuma lesão forte, rico, ficar se arriscando desta maneira para andar nos últimos lugares, faz brotar a tal da “falta de motivação”. Dá não.

Dovizioso é um dos pilotos mais técnicos do grid, e capaz de fazer debriefings semelhantes aos de Valentino Rossi. Analítico, técnico, experiente. A Yamaha conta e contava com seu Feedback para acertar a moto, só que não deu certo.

Apesar de no final ele e Luigi Dall’Igna estarem de bico um com outro, muito da Desmosedici GP se deve ao trabalho incessante de Dovi na moto e tenho a CERTEZA de que se a Ducati tivesse continuado com ele, não perderia o campeonato de 2020 nem o de 2021. Digo o mesmo de Jorge Lorenzo. Pecco Bagnaia é bom piloto, mas não é bom como Andrea Dovizioso, não chega aos joelhos do “grande pentacampeão” Jorge Lorenzo.

Eu tive a oportunidade de conhecê-lo pessoalmente ainda menino aqui no RioGP. Eu pedi umas peças de Cagiva para o Sr. Polini na Itália, e ele as enviou em mãos através do Dovi. Fui pegar com ele nos boxes do GP e conversamos um pouco. Ele ainda não era campeão do mundo de 125, era o ano de sua estréia e ele estava indo muito bem, era a revelação do ano. Tímido, mas muito simpático, trocamos algumas palavras. Depois os GPs brasileiros acabaram e nunca mais tive oportunidade de encontrá-lo novamente. Maldito “jeito brasileiro” de fazer negócios que há quase 20 anos nos impedem de ter um GP. A Argentina, ruim do jeito que está, tem MotoGP, WSBK e MXGP. Prá vocês verem como é.

Pilotasso, nos deu grandes alegrias durante toda a sua carreira (menos 2022). Só foi campeão uma vez na 125, mas foi vice duas vezes na 250 e sempre foi protagonista no MotoGP. Seus dois vices contra Marc Marquez serão para sempre inesquecíveis.

Vamos agora ver o que falaram os “stockholders”, kkkkk:

Lin Jarvis
DIRETOR GERENTE DA YAMAHA MOTOR RACING

Quero começar dizendo que, claro, estamos todos tristes por Andrea deixar o esporte mais cedo do que o esperado. Ele é um grande nome no MotoGP e fará falta no paddock.

“Nós nos consideramos muito sortudos no ano passado por ele estar disponível e disposto a se juntar ao nosso programa de MotoGP quando Franky mudou para a Yamaha Factory Team, criando assim a necessidade de um piloto substituto para o restante da temporada de 2021. A grande perícia, experiência e natureza metódica de Andrea foram de grande interesse para a Yamaha e a equipe RNF e o projeto foi fixado para incluir toda a temporada de 2022.

“Infelizmente, Andrea lutou para extrair o máximo potencial da M1 e, portanto, os resultados não foram alcançados, o que criou uma frustração compreensível para Andrea. Finalmente, durante as férias de verão, ele nos confirmou seu desejo de se aposentar antes do final da temporada.

“Após discussões mútuas, foi considerado apropriado para Andrea fazer sua última corrida em Misano em seu GP em casa. Naturalmente, a Yamaha continuará a dar todo o apoio a ‘Dovi’ nas próximas três corridas. Enquanto isso, vamos aproveitar seus últimos três GPs e comemorar em Misano o fim de uma carreira espetacular.

Razlan Razali, fundador e chefe de equipe WithU Yamaha RNF MotoGP Team

“Quando voltamos ao paddock após uma pausa de cinco semanas, estávamos ansiosos para trabalhar para mudar as coisas para Andrea, especialmente depois de algumas descobertas positivas nas últimas duas corridas. No entanto, ele tomou sua decisão de se aposentar e nós respeitamos isso. De fato, estamos tristes por ver um grande e experiente piloto como o Andrea deixar o campeonato e não terminar a temporada conosco. Mas entendemos, ele tem sido claro em sua luta para se sentir confortável com a moto e adequar seu estilo de pilotagem à maneira como a moto precisa ser pilotada. Apesar de não termos conseguido juntos os resultados desejados, continuamos honrados e satisfeitos por ter um grande nome como a Andrea em nossa equipe. Gostaríamos de agradecer a Andrea por seu apoio, experiência e contribuição e continuaremos a dar-lhe todo o apoio para o restante das três corridas.”

Wilco Zeelenberg, Team Manager WithU Yamaha RNF MotoGP Team

“É claro que este anúncio e aposentadoria antecipada de Andrea não é realmente o que queríamos como equipe, mas também compreensível do lado de Andrea, pois ele claramente esperava muito mais de seu retorno do que era capaz de fazer. Tentamos ficar atrás dele o máximo possível em todas as áreas, mas finalmente ele decidiu parar depois do GP de Misano e, claro, procurando completar sua carreira. De qualquer forma, temos que aceitar sua decisão porque isso é claramente algo que um piloto precisa fazer. Podemos dizer o que quisermos, mas só podemos apreciar sua honestidade e também sua decisão. Faremos qualquer coisa para continuar pressionando e obtendo resultados para a equipe.”

E, finalmente, fala o campeão mundial Andrea Dovizioso:

Agradeço a Lin por suas palavras, concordo totalmente com elas. Em 2012, a experiência com o construtor de Iwata no MotoGP foi muito positiva para mim e desde então sempre pensei que, mais cedo ou mais tarde, gostaria de ter um contrato oficial com a Yamaha. Essa possibilidade se apresentou, na verdade de uma forma um tanto ousada, durante o ano de 2021. Resolvi tentar porque acreditava muito nesse projeto e na possibilidade de fazer bem.

“Infelizmente, nos últimos anos o MotoGP mudou profundamente. A situação é muito diferente desde então: nunca me senti confortável com a moto e não consegui tirar o máximo partido do seu potencial apesar da ajuda preciosa e contínua da equipa e de toda a Yamaha.

“Os resultados foram negativos, mas, além disso, ainda considero uma experiência de vida muito importante. Quando há tantas dificuldades, você precisa ter a capacidade de administrar bem a situação e suas emoções. Não atingimos os objetivos desejados, mas as consultas com os técnicos da Yamaha e com os da minha equipe sempre foram positivas e construtivas, tanto para eles quanto para mim. A relação permaneceu leal e profissionalmente interessante mesmo nos momentos mais críticos: não era tão óbvio que isso iria acontecer.

“Por tudo isso e pelo apoio, agradeço à Yamaha, à RNF Racing Team, à WithU e aos outros patrocinadores envolvidos no projeto. Não foi como esperávamos, mas foi certo tentar. A minha aventura terminará em Misano, mas a relação com todas as pessoas envolvidas neste desafio permanecerá intacta para sempre. Obrigado a todos.

 

 

 

Gostou? Então gaste alguns segundos para ajudar o Mário Barreto no Patreon!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

14 − 10 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.