Brad Binder em décimo primeiro no desafiante Gp da Catalunha

Brad Binder foi o melhor para a Red Bull KTM em um Grande Prêmio da Catalunha frio e difícil, onde a aderência efetiva era muito importante. O sul-africano classificou-se em 11º no MotoGP e entrou na segunda metade da campanha de 2020.

As condições mais frescas para o MotoGP 2020 marcaram a oitava jornada da temporada na Catalunha e tornaram o asfalto liso do circuito a uma curta distância a norte de Barcelona um desafio complicado. As equipes e os pilotos tiveram que fazer julgamentos rápidos sobre os pneus para encontrar borracha que durasse a distância de corrida de 24 voltas, mas também oferecesse desempenho nas fases iniciais do Grande Prêmio.

Três KTM RC16s preencheram os doze primeiros da grelha com Pol Espargaro a liderar a terceira linha na 7ª posição. Assim que a corrida começou, o espanhol lutava por posições entre os dez primeiros com Danilo Petrucci, quando perdeu a tração dianteira na Curva 1 na volta 13. Ele caiu em 7º. O mesmo destino se abateu sobre Miguel Oliveira, da Red Bull KTM Tech3. O português foi 9º até atingir o solo seis voltas depois na Curva 2.

Brad Binder se recuperou bem de um início lento para flexões de fora dos quinze primeiros e alcançou a 9ª posição. O estreante perdeu a aderência traseira nas últimas três voltas e alcançou a linha de chegada em 11º. Iker Lecuona somou 2 pontos pelo 14º lugar.

O piloto mais bem classificado da KTM no Campeonato do Mundo FIM é Oliveira, que está em 9º e apenas 18 pontos entre os cinco primeiros.

Brad Binder:

“Hoje foi um pouco diferente do que eu tinha em mente. Chegando à corrida o meu ritmo parecia muito bom e tive boas sensações com a moto. Na corrida, simplesmente não saiu como planejado. Dei o meu melhor no início, mas quando chegámos à décima sexta volta as coisas tornaram-se um pouco mais difíceis com o pneu traseiro. Foi difícil, com certeza. Não é um ótimo resultado no final, mas vamos aprender com isso e usá-lo no futuro. Vamos manter o foco, olhar para a próxima corrida e tentar fazer as coisas bem ali. ”

Iker Lecuona:

“No final, estou muito feliz por ter terminado a corrida, que era o meu objetivo, pois foi um fim de semana difícil para mim. Por fim, pude desfrutar um pouco da corrida e recuperar as sensações. Lutei com um grupo pequeno e terminei nos pontos. Obrigado à equipe por todo o apoio neste final de semana. Tenho certeza que seremos melhores em Le Mans. ”

Miguel Oliveira:

“É triste terminar a corrida assim. Tínhamos condições muito desafiadoras e esperávamos ser competitivos e para isso precisávamos usar o pneu dianteiro médio. A temperatura estava muito baixa hoje, então demorei apenas uma volta sem turbilhonamento para esfriar o pneu e quando fui para o lado esquerdo, não havia como salvar o acidente. É uma vergonha. Isso é corrida. Espero que possamos voltar à frente em Le Mans, a corrida em casa para a equipe. Quero ir bem lá, também pelo campeonato ”.

Pol Espargaro:

“Com certeza estou desapontado. Paguei por alguma frustração hoje porque com o pneu dianteiro médio não consegui empurrar com tanta força nas curvas esquerdas. Lutei muito com o Petrucci, embora me sentisse mais rápido que ele. Entrei na curva um pouco rápido demais e perdi a frente. Totalmente minha culpa. Eu estava tentando muito. Estou ansioso para ir a Le Mans e tirar daqui o gosto ruim da boca. Foi meu Grande Prêmio em casa e não era o que eu esperava. ”

Para a Fauna do Motociclismo.