Ducati em 2013

E a Ducati finalmente apresentou seus planos esportivos para 2013.

Será um ano ocupado para a fábrica, cheio de novidades nas áreas esportivas e empresariais.

Na área empresarial terão o desafio de misturar as culturas da Ducati e da Audi, e como a Audi (VW) é muito maior, com muito mais recursos, terão que descobrir uma maneira de utilizar isso a favor das motos. E precisamos descobrir quais são os planos em sentido contrário, o que a Audi pretende fazer com sua nova aquisição, como o marketing vai integrar as marcas. Com certeza eles tem planos para isso, quais são? A Audi realmente pretende colocar um caminhão de dinheiro e técnicos no barco da Ducati?

Fizeram um filme bacana para o Pikes Peak, dando uma dica sobre como eles talvez avancem nisso. Vejam em:

Ducati e Audi juntas no Pikes Peak clique para ver o vídeo.

Nas pistas as perspectivas são também de muito trabalho. Trabalho duro.

No SBK a estréia da Panigale nas mãos do Checa. Vai ser um osso duro de roer, pois a concorrência nunca esteve num nível tão alto. A Aprilia mexeu tudo este ano e funcionou, a RSV4 evoluiu, está um foguete e Biaggi lidera o campeonato hoje. A BMW cresceu demais com o Melandri, é a que coloca mais (muito) dinheiro no SBK, estava na liderança até a penúltima corrida e se não ganhar este ano vai fazer de tudo (ainda mais) para finalmente levar o SBK. E a Kawasaki, que investiu muito na KZ 1000 que está um foguetasso, rainha das super poles e que melhora a cada corrida. Tom Sykes vem com tudo. As outras japonesas no momento não merecem maiores comentários porque não anunciaram seus planos para o ano que vem.

Não podemos esquecer que Checa não é um menino, ano que vem menos ainda, e que os motivos que levaram a organização a colocar mais 6 kg na Ducati continuam valendo. Ou mudam a regra de novo ou a Panigale terá este lastro, acho eu. Motos já no terceiro ano de desenvolvimento (no mínimo) contra a Panigale no primeiro.

E agora a notícia quente da semana, que é a assintura do Ben Spies e Iannone para andar na Ducati Pramac ano que vem, com garantias de uma moto bem parecida com as oficiais de Hayden e Dovi. Um time de renovação, e mais um esforço gigante.

Vamos analisar… Com Vale definitivamente fora e Hayden quebrado, com a quantidade de peças, protótipos, chassis e dados de computador divergentes que a Ducati tem no momento, vai ser uma pedreira conseguir usar o resto do ano para dar seguimento ao desenvolvimento da moto 2013.

Vale não tem interesse nenhum em desenvolver uma moto para o Hayden, Dovi, Spies e Iannone. Já a Ducati não tem interesse nenhum em divulgar seus segredos para ele. E seus dados e inputs se provaram inúteis também. Talvez até os dados e inputs do Barberá sejam melhores…

Temos indefinições sobre quem irá liderar o esforço de primeiro piloto. Hayden é querido, trabalha que nem um mouro, simpático, americano, rápido, ex campeão do mundo, já conhece bem a moto mas… duvido que Dovizioso ande menos do que ele. E o primeiro piloto é sempre aquele que anda mais. Como Dovi só poderá andar na moto após o fim do campeonato, terão que começar antes e dar a sorte dele gostar. Senão a moto vai começar de um jeito e ser adaptada. De novo.

Vamos esquecer este ano do Spies, em que tudo está dando errado. Esquecendo este ano, Spies vinha se provando um piloto que se adapta bem as motos. Fez o milagre de levar a Yamaha R1 ao campeonato de SBK, andou bem na M1 logo de cara. Estará mordido de raiva em 2013 e é rápido, muito rápido. Mas, não estará na Ducati certa, e sim na Pramac. O trabalho dele será o de se adaptar, desenvolver a moto e atrapalhar o mais que puder os adversários de Hayden e Dovi. Se fizer isso com louvor o reconhecimento será uma chance na Ducati certa mais para frente.

Numa cagada fenomenal, comprei um capacete novo, um Ben Spies Réplica alucinante, que agora ficou perfeito para um Ducatisti como eu. Quando comprei não era.

E Iannone, é rookie, e o menos graduado dos 3. Terá a Ducati “menos igual” das três, a principio. Mas é um sopro de juventude e garra que farão muito bem para a marca.

Sem esquecer que Stoner disse que ia parar mas frisou que não é para sempre. Vai que ele resolve voltar para 2014, imagine o rolo que isso daria.

Sem uma moto pronta ou bem encaminhada, com dúvidas sobre as capacidade de Filippo Preziosi fazer uma moto no nível das outras, com o time de pilotos menos estrelado dos últimos tempos, se reorganizando… não vai ser mole não. Vai ser bonito de ver.

Já estou doido para que esta temporada acabe para começar a próxima. Tanto faz quem ganhe, 2012 já era para que gosta das Ducatis.

Mário Barreto

;

;

Para a Fauna do Motociclismo