Uma nova era no MotoGP. Corrida de Le Mans 2014

Marc Marquez
Marc Marquez

Meus amigos,

Confesso que tinha antipatia pelo Marc Marquez. Não tenho mais.

Esta antipatia era derivada de uma percepção de que ele tinha muito mais apoios e recursos do que os seus concorrentes, e isso não é legal. Um novo Pedrosa, ganhando fácil com um equipamento acima e uma equipe completíssima dando total apoio, assim seria mais fácil.

É a falta que faz estar lá no autódromo, vendo e ouvindo o piloto na pista, quando você claramente vê o quanto é piloto e o quanto é equipamento na equação. Sendo um comentarista que vê pela TV, como eu sou, é impossível perceber isso.

O que fica claro agora é que Marc Marquez, se teve equipamentos e equipes melhores a sua disposição, e acredito que teve e tem, é por merecimento. O moleque é genial!

Marc Marquez está inventando uma nova técnica de pilotagem, como fizeram por exemplo o finlandês campeão do mundo Jaarno Saarinen (http://en.wikipedia.org/wiki/Jarno_Saarinen), que inventou a pendulada extrema, ou Kenny Roberts Sr. que inventou a pilotagem para a roda traseira, escorregando a saída de curva. Depois deles todos os pilotos tiveram que aprender a fazer isso, ou então iriam levar couro eterno.

E couro eterno é o que o Marc Marquez promete para o campeonato deste ano. Ele anda meio segundo mais rápido do que todos os outros “com facilidade”. Apertado, mete 1 segundo fácil em todos. Ele vem atrás, espera o que o Lorenzo, o Rossi, o Pedrosa vão fazer, e eles retardam, vão no limite, mas não sabem que o limite, as referências, agora são outras. Existe um outro limite.

Dados de telemetria indicam que a carga que Marc Marquez coloca no pneu dianteiro é fora de parâmetros, e que ele começa a inclinar a moto com a roda traseira ainda no ar. É uma coisa estúpidamente agressiva, mas que ele faz repetidamente e faz parecer fácil. É um novo estilo, uma nova técnica. Ou aprendem, ou é couro eterno.

O maior perdedor disso é Casey Stoner né? Se sonhavam com a volta dele aos GP’s, podem esquecer, ele seria muito burro de enfrentar esta nova força.

Lorenzo parece que está em avançadas negociações com a Honda para pegar o lugar do Pedrosa, pois nem ele nem a moto estão se arriscando. Se a Yamaha já foi avisada então, aí é que a sua moto não anda mais nada. Sabemos como isso funciona. Já Rossi está empolgado, pois com equipe nova, e a chance de ser o número 1 novamente na Yamaha, está dando tudo. Mas é pouco, o moleque passa por ele de passagem.

Na última corrida, Le Mans, pude perceber e confirmar algumas coisas. Primeiro, e como eu havia previsto, o programa de largada da Ducati é infernal, Dovi largando da primeira fila é Ducati na frente na primeira curva. Mas a moto parece só durar com o pneu novinho, depois volta ao normal, 1 segundo off das outras e 1,7 do Marc. A segunda coisa que percebi é que a moto do Marc não é mais foguete do que as outras, como era no Moto2. Na reta ele anda igual ou menos, a diferença está lá no final, quando ele vê outra curva, freia em outros lugares e de modo diferente e atropela. E em terceiro, em um momento quando o Pedrosa seguia o Lorenzo, deu prá ver como é difícil ultrapassar um piloto como ele. Lorenzo parece que não freia, ele anda rápido o tempo todo da curva, sem dar aquela paradinha que define o ponto de ultrapassagem. O piloto que vem atrás fica perdido pois a curva dele não demonstra seus pontos, e para fazer igual o risco é grande, pois tem-se que ter uma técnica e uma moto igual, e aí é difícil. Mas mesmo assim, não tem dado para o couro.

Não tenho mais implicância com o Marc Marquez. Já o reconheço como uma nova era no MotoGP e agora a torcida, para seguir o meu amigo Ricciardi, é para que ele vença TODAS, com pole no processo.

Abraços

Mário Barreto

 

Um comentário em “Uma nova era no MotoGP. Corrida de Le Mans 2014”

  1. Extremamente lúcido e, para nós Ducatisti de coração, totalmente imparcial. Confesso que também torcia o nariz para o MM mas 5 poles e 5 vitórias seguidas, e unânimes, realmente não se sustentam somente com equipamento e equipe melhor. O que quero dizer é que se ELE não fosse o melhor, juntamente com a equipe e o equipamento, já teria feito pelo menos uma cagadinha nestes 5 GPs seguidos, e ele não fez. Pelo menos nenhuma que lhe custasse a liderança. MM realmente está correndo à parte dos demais. Só espero que os demais tenham o mesmo senso crítico e humildade para aprender e, no mínimo, copia-lo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *