LORENZO OUT

É meus amigos, dia triste para mim, que sempre fui fã do Jorge Lorenzo…

Minutos antes do anúncio oficial, gravei o vídeo para o Canal Motozoo no Youtube:

Logo depois rolou a entrevista, e Lorenzo falou pouco, e bonito. Achei emocionante. Vejam abaixo na íntegra o que falou Lorenzo.

Peguei no site Crash.net e traduzi no Google Translate, que está diabólico:

Discurso de aposentadoria de Lorenzo na íntegra:

“Obrigado por participar desta conferência de imprensa, isso realmente significa muito para mim, me deixa muito feliz.

Sempre achei que havia quatro dias significativos para um piloto. O primeiro é a sua primeira corrida, a segunda a sua primeira vitória e o seu primeiro campeonato mundial – nem todos podem ganhar um campeonato mundial, mas alguns de nós conseguiram – e depois o dia em que você se aposenta.

Como todos imaginam aqui, estou aqui para anunciar que este dia chegou para mim. Esta será a minha última corrida no MotoGP e depois dessa corrida vou me aposentar como piloto profissional. Tudo começou quando eu tinha três anos, quase 30 anos de completa dedicação ao meu esporte. As pessoas que trabalham comigo sabem o quão perfeccionista eu sou, quanta energia e intensidade sempre coloquei no meu esporte.

Este nível de perfeccionismo requer muita motivação, por isso, depois de nove anos na Yamaha – tão maravilhosos, provavelmente os melhores anos que desfrutei em minha carreira – senti que precisava de uma mudança, se quisesse manter esse compromisso total. para o meu esporte.

Foi por isso que quis mudar para a Ducati, que me deu um grande impulso de motivação e, apesar de os resultados terem sido muito ruins, usei a motivação para não desistir e continuar lutando até conseguir essa linda vitória em Mugello diante de todos os adversários e Fãs da Ducati.

Então, mais tarde, quando eu assinei a Honda, você me deu outro grande impulso, porque eu consegui algo que todos os pilotos sonham em se tornar piloto de HRC da Repsol Honda.

Infelizmente, as lesões vieram muito em breve para desempenhar um papel importante em meus resultados e desempenho, então não pude estar em condições físicas normais para ser rápido ou competitivo. Essa moto, que não parecia natural para mim, me deu muitos problemas para ser competitiva como eu quero. De qualquer forma, nunca perdi a paciência e continuei trabalhando com a equipe pensando que provavelmente era apenas uma questão de tempo até que tudo veio ao lugar certo.

Então, quando eu estava começando a ver alguma luz no túnel, aconteceu o desagradável acidente no teste de Montmelo. E, alguns dias depois, eu caí novamente no feio acidente de Assen, que você conhece as consequências que isso criou. Eu tenho que admitir que quando eu estava rolando no cascalho e me levantei, pensei comigo ‘OK Jorge, isso realmente vale a pena?’ Depois do que eu consegui, para continuar sofrendo … eu terminei, eu não quero mais correr.

Mas então voltei para casa e decidi tentar. Não queria tomar nenhuma decisão antecipada. Então continuei. Mas a verdade é que, naquele momento, a colina se tornou tão alta e grande para mim que eu não foi capaz de encontrar a motivação, a paciência para continuar tentando escalar esta montanha. Todos sabem, adoro andar, adoro competições, adoro esse esporte, mas acima de tudo adoro vencer. Então, percebi que em algum momento isso não era possível, neste curto espaço de tempo com a Honda. Então … [aplausos] nesta fase da minha carreira, era impossível manter a motivação e o meu objetivo que pus na cabeça no início da temporada não era realista, em pouco tempo.

Então, devo dizer que sinto muito pela Honda. Especialmente Alberto, que foi quem me deu essa oportunidade. Lembro-me muito bem daquele dia no teste de Montmelo, uma das primeiras reuniões que tive com ele, para começar a conversar sobre minha mudança para a Honda. E eu disse: ‘Alberto não se engane, contratando o piloto errado! Confie em mim e você não se arrependerá’. Infelizmente, tenho que dizer que o decepcionei. Eu decepcionei a Honda. Takeo [Yokoyama], [Tetsuhiro] Kuwata e Nomura-san [presidente da HRC]. No entanto, acho que essa é a melhor decisão para mim e para a equipe porque a Honda e Jorge Lorenzo não pode lutar apenas para marcar alguns pontos, ou mesmo para os cinco primeiros ou pódio, o que eu acho que pode ser possível com o tempo. Eu acho que nós dois somos vencedores e precisamos lutar para vencer.

Então, falando um pouco mais pela felicidade, voltando à minha carreira linda e bem-sucedida, eu sempre disse que sou um cara de muita sorte. Às vezes me sinto um pouco como esse filme ‘um em um bilhão’ que narra a vida de um jogador de basquete indiano na NBA. “Porque eu corri contra pilotos inacreditáveis ​​da minha geração e qualquer um deles poderia ter conseguido o que eu consegui. [Mas] eles não foram tão bem-sucedidos quanto eu. E especialmente a maioria deles nem sequer chegou ao campeonato mundial e teve voltar a trabalhar em empregos normais, então sempre me senti muito agradecido.

É verdade que eu sempre trabalhei duro e fiz muitos sacrifícios, mas sem estar no lugar certo, na hora certa e, especialmente, sem a ajuda de muitas pessoas, que me ajudaram a alcançar o que consegui, isso não seria suficiente foi possível.

É por isso que também estou aqui para agradecer a todos pela ajuda, especialmente Carmelo e Dorna por todo o bom tratamento que sempre me deram e principalmente por tornar esse esporte tão bom.

Também todas as fábricas que acreditam em mim e me contrataram – Derbi, Aprilia, Yamaha, Ducati, Honda. Especialmente Giampeiro Sacchi, Gigi Dall’Igna, Lin Jarvis e Alberto Puig.

Então, obviamente, minha mãe por me trazer a este mundo. Meu pai me transmitiu esse amor pela bicicleta e toda a ajuda que ele fez. Juanito [mecânico] por sua lealdade, ficando comigo toda a minha carreira.

Meus fãs, meu fã-clube , todos os fãs do MotoGP em geral, que mantêm esse esporte como é hoje.

É isso. Obrigado a todos por toda a ajuda. Foi um prazer trabalhar com você e com todo o meu coração desejo a você tudo de bom, toda a sorte, profissional e pessoalmente. Muito obrigado.”

Bonito né? Vamos em frente, era o que tinha que ser feito.

Mário Barreto.

Um comentário em “LORENZO OUT”

  1. Eu já sabia… 🙂

    A carreira do Lorenzo entrou no seu epílogo no tombaço que ele levou na Tailândia, ainda pela Ducati. Foram muitas horas de fisioterapia, uma difícil adaptação à moto da Honda e a pá de cal foi o tombo em Montmeló nos treinos pós-corrida. Notem que ele partiu bem no GP da Catalunha, com o tanque desenhado para ele após uma viagem à fábrica, no Japão. Na empolgação ele acabou fazendo aquele strike que tirou o Dovi, o Viñales e o Rossi da corrida, mas ele estava bem até o tombo no treino de 2a-feira. Um novo tombo em Assen afetando a mesma vértebra foi a gota d’água. Como disse uma vez o Doohan, os pilotos não tem nenhum receio de se quebrar em tombos, só não querem quebrar a coluna, como o Rayney, o Pit Better.

    E quem entra? Talvez o Zarco, em um contrato de risco, de um ano. O problema do Zarco na KTM é que ele foi para lá com a ilusão que seria o líder do projeto, mas ninguém dava atenção ao que ele falava sobre a moto.
    Muita gente fala no Alex Marquez, mas acho que seria ruim para ele, caso realmente queira deixar se ser “o irmão do”.
    Há gente boa na Moto2, mas não vejo ninguém, no momento, com condições de dar o que a Repsol precisa. Aposto mesmo no 5**.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *