Bautista fora da Ducati.

Bem, está feito. Depois de alguns dias rolando na imprensa, sem muita fofoca, e sim com palavras oficiais de Bautista e Ducati, ano que vem o destino será a Honda. Com 35 anos Alvaro Bautista recebeu uma oferta milionária da Honda e recusou a oferta da Ducati . A Honda ainda não falou.

Não sei o que aconteceu, mas conhecendo o estilo do Claudio Domenicali e do clima marrento da Ducati Corse, devem ter deixado as coisas de um jeito ruim. Para eles a Ducati é que é incrível, o piloto é um detalhe. Quase isso. Leiam o que disse Paolo Ciabatti ainda esta semana:

“Queremos continuar com o Alvaro, mas ele deve aceitar o que a Ducati e Aruba colocaram na mesa. Se as suas expectativas de remuneração forem completamente diferentes, não poderemos atender às suas solicitações. Infelizmente, os resultados em corridas recentes foram negativos, ninguém tem uma explicação do que aconteceu. Para a Ducati, seria bom ganhar o Campeonato do Mundo com o VR4, mas é improvável que isso aconteça, e estamos desapontados. No entanto, queremos continuar com Álvaro Bautista, razão pela qual fizemos uma excelente oferta. Mas não a todo custo. A decisão está agora nas mãos dele. Nós não podemos esperar tanto tempo.”

Não precisaram esperar. Taí o resultado. Não imagino porque o o Bautista caiu tanto, também estou desapontado, mas o fato é que ele não se queimou no circo. Tanto que a Honda botou caminhão de dinheiro. Quando a moto é muito elogiada as fábricas ficam assim. A Honda tb fez isso com o Rossi, se superavaliou e se deu mal, pois Rossi foi para a Yamaha e foi campeão na primeira tentativa. A Ducati perdeu Lorenzo por marra. Agora perdeu Bautista.  É evidente que Bautista é um excelente piloto. O que aconteceu é um mistério, ainda. Um dia saberemos.

Nosso amigo, colaborador Andre Bertrand aposta que a cabeça de Bautista acabou quando renovaram com Petrucci, pois segundo ele existia uma promessa de, em sendo campeão, um novo vôo no MotoGP, ao lado de Dovizioso. Ciabatti desmente isso e diz que não tinha nada em contrato. Mas podia ter de boca? Mas bateu, depois disso a VR4 não ficou mais de pé na pista.

Vamos anotar que a Ducati está super pressionada e não ganha o SBK desde 2011. A Panigale V2 foi a única moto SBK da marca que tentou e não conseguiu. E é uma jóia tecnológica e do design. E no MotoGP, saudades de Casey Stoner até hoje. Outro que a Ducati não ouvia e que foi marrenta. Casey saiu chateado, como Rossi saiu da Honda, e foi campeão na Honda também imediatamente.

É hora de mudar outras coisas, as motos parecem boas, no WSBK e no MotoGP, mas o gerenciamento, parece ruim. Como disse Puig, alfinetando, é um investimento muito alto para um resultado muito baixo. Nesta mesma entrevista, acusado de fazer uma moto só para o Marc Marquez ele foi mais fundo e disse ainda: “Com a Honda RCV foram campeões Rossi, Hayden, Stoner e Marc.” Disse que não ganharam apenas um campeonato em condições especiais. Paulada.

Agora estão na correria para arrumar um bom piloto para a Panigale V4 oficial Aruba…Scott Redding, que já anda no Inglês de SBK com ela, ganhando… mas ele tem uma oferta de outra fábrica. Chaz Davies não se adaptou a moto. Marco Melandri está se aposentando, e saiu um pouco chateado da Ducati também… Jack Miller não quer…

Eu também não quero, estou com as costas doendo e acho o clima na equipe muito tenso. Recusei a oferta. Hahahaha.

Vamos aguardar… porque agora tem ainda a novela de um possível volta de Jorge Lorenzo para a Ducati Pramac. Aguardem cenas dos próximos capítulos.

Mário Barreto

3 comentários em “Bautista fora da Ducati.”

  1. O Ciabatti é o maior cara de pau. Não tinha a promessa em contrato, que inclusive foi de apenas um ano, mas foi feita de boca: entre gente honrada a assinatura no papel não é necessária. A cabeça do Bautista explodiu até antes da Ducati assinar com o Petrucci, pois durante aquela sequência de vitórias que ele teve a imprensa foi no Ciabatti perguntar se o Bautista voltaria para o MotoGP e ele respondeu que “isso não faria sentido”. A partir daí o Bautista degringolou.

    Concordo contigo: a gestão italiana é complicada. Veja a Ferrari… seus anos de ouro aconteceram com um austríaco mandando na equipe (Lauda, que, inclusive, saiu chateadaço e antes do fim do contrato), e com um trio alemão/inglês/francês (Schumacher/Brawn/Todt). Estão enfiando milhões na F1 e já queimaram o Alonso e o Vettel.

  2. Pois é, estranho esse campeonato!! Achei o campeonato mais ganho de todos os tempos, até Rea estava desanimado com a diferença. Esquisitos esses acontecimentos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *